Segunda, 28 de Setembro de 2020
92 99494-2851
Amazonas Amazonas

Amazonense, Jack Serafim é palestrante em Congresso Nacional

O congresso apresenta de forma prática o conhecimento sobre a arte da Comunicação nas áreas audiovisual, jornalística, publicitária, do designer gráfico e do capital da imagem, no avanço e contexto atual da mídia.

26/08/2020 22h31 Atualizada há 1 mês
Por: Redação1
Amazonense, Jack Serafim é palestrante em Congresso Nacional

Com o tema “Jornalismo Político e as Fakenews”, o cientista político e jornalista Jack Serafim, palestrou nesta quarta-feira (26), no Congresso Online Nacional de Comunicação (CONC). Iniciado na segunda-feira (24) seguindo a programação até quinta-feira (26), o CONC apresenta de forma prática o conhecimento sobre a arte da Comunicação nas áreas audiovisual, jornalística, publicitária, do designer gráfico e do capital da imagem, no avanço e contexto atual da mídia.

Entre alguns pontos destacados, Jack Serafim explica que, até pouco tempo atrás a opinião pública era formada com base em dados passados pelos veículos de comunicação tradicionais como jornal, rádio e televisão e destacou a importância das novas mídias e cuidados com seu uso. “Já se foi o tempo em que as redações de grandes jornais  definiam a pauta. Hoje essa pauta ganhou outros canais. Cada pessoa que tem uma um canal em uma Rede Social, por exemplo, tem um veículo de comunicação. Então é impossível você imaginar nos dias atuais o jornalismo com todas as possibilidades que existe de noticiar alguma coisa, presa tão somente aos veículos tradicionais. É importante ouvir o que as pessoas estão dizendo nas muitas redes sociais, quais são os debates que estão acontecendo para poder trazer a relevância daquilo que está sendo dito para os veículos de comunicação mais tradicionais”, pontuou Jack.

Fakenews

O especialista também ressaltou o perigo que essa facilidade em noticiar nos dias atuais gera a sociedade como um todo. “Quando a gente vai falar de fakenews a gente tá falando sobre mentira, não tem uma outra forma de dourar a pílula. É mentira mesmo. É aquela informação falsa. E a mentira como sempre é uma ferramenta destrutiva. Acontece que nos dias atuais existem, por exemplo, pessoas que cobram, para assumirem uma publicação de uma matéria falsa. Lamentavelmente dentro do jornalismo, você  também vai encontrar bandidos que vendem a sua pena, que vendem o seu veículo de comunicação para contar mentiras e assumem na justiça as consequências disso”, lamentou o cientista político.

Jack Serafim orienta, ainda, leitores e profissionais da área a não caírem nesse jogo das fakesnews. “O primeiro conselho que eu gostaria de te dar é o seguinte: não se submeta jamais a isso. Porque não há nada pior do que ser conhecido no mercado como alguém que tem um preço, principalmente no que diz respeito a ter um preço para falar mentiras. O grande problema para a comunicação como um todo é o instante em que você vai noticiar ou compartilhar alguma coisa e ninguém vai acreditar, ainda que seja verdade. Os veículos de comunicação como um todo precisam da verdade para sobreviver. Essa é única maneira de manter realmente um jornal por muito tempo”, afirmou.

Assessoria política

Para os que atuam no campo da política, Jack Serafim abordou a questão da agilidade quando se trata em gerenciar uma crise do seu assessorado. “Para você que, por exemplo, faz assessoria para um político, nunca espere muito tempo para rebater uma fakenews. Político ter redes sociais é fundamental, porque as redes vão ser o seu parlatório. Então quando alguém te atacar você já responde de imediato para quebrar na raiz as falsas informações sobre você. Todo ataque precisa ter um posicionamento, até porque se não tiver, a mentira vai acabar se tornando uma verdade, e você, sem dúvida, não vai permitir que isso aconteça, porque se a mentira realmente tomar o lugar da verdade, todos nós perdemos”, finalizou Jack Serafim.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio